A REVISTA VEJA FEZ UMA ABORDAGEM INCOMPLETA

 

Lamentável que a revista Veja foi superficial na produção da matéria citada. A indignação da EDUCAFRO é muito mais ampla e profunda: além de trabalharmos há anos por uma urgente reforma política (https://www.reformapoliticademocratica.org.br), em conjunto com a OAB, CNBB, MCCE, e muitas outras entidades, (pena que ao longo dos anos a Veja e nenhum Partido Político abraçou esta causa), queremos também que os partidos da oposição e da situação devolvam ao povo negro o fundo para Programas de Inclusão, que existia no Estatuto da Igualdade Racial. Por acordo dos partidos da situação com a oposição esse fundo foi removido do mencionado Estatuto. Absurdo!

Não se faz políticas públicas sérias só com cotas e sem investimentos financeiros! Será que a Revista Veja não sabe disto? A revista Veja foi, mais uma vez, incompleta.

Tão importante quanto o abaixo-assinado pela Reforma Política é o outro abaixo-assinado que o público EDUCAFRO está fazendo (e a Revista Veja desonestamente não divulgou), EXIGINDO A CRIAÇÃO DO FUNDO NACIONAL DE COMBATE AO RACISMO.

É inaceitável ver a omissão de todos os Partidos Políticos na questão da não implementação das bolsas para alimentação e moradia dos estudantes pobres, negros e brancos, beneficiados pelo programa de cotas nas Universidades Federais. É bom destacar à Revista Veja que, se ela fosse um órgão de imprensa realmente a serviço dos brasileiros, iria fazer qualificadas matérias mostrando o drama dos estudantes cotistas que sofrem sérias necessidades.

Estimamos que, de cada 100(cem) alunos pobres (brancos e negros) que solicitaram ajuda moradia e alimentação, em suas Universidades Federais, nos últimos 6(seis) meses, nem 20% conseguiram. Por que a Revista Veja não divulga isto? Não quer ver a vitória dos cotistas pobres e negros? Eles estão passando necessidades e os partidos políticos da oposição e da situação nada fazem para mudar esta realidade! Não incluíram, mais uma vez, no orçamento do país para 2015, verbas que garantam a assistência estudantil a todos os alunos pobres das Universidades Federais.

O mesmo acontece com os bolsistas do ProUni: nem 2% dos pobres recebem bolsa moradia e alimentação. Tem sido considerável a desistência de alunos pobres nas Universidades Federais, por falta deste apoio, em garantir o sucesso desta camada excluída da nação brasileira. Por que a Revista Veja não tem interesse em fazer matérias sobre este assunto? O abaixo-assinado, que a Revista Veja escondeu dos seus assinantes e do público em geral, questiona indiretamente os Partidos que a Revista Veja ataca e os que ela defende. Por que foi omissa nesta informação ao público?

A EDUCAFRO, entidade apartidária e que realiza fortes pressões contra o PT e o PSDB por políticas públicas para a população negra, substituiu os outros tradicionais atos de cidadania de seus universitários (que acontecem há mais de 15 anos!) por estas coletas de assinaturas que beneficiam os próprios universitários!

Ninguém é obrigado a se filiar ou se manter filiado à Educafro! Aliás, isso decorre de direito fundamental assegurado pela Constituição Federal, artigo 5º, inciso XX: “Ninguém poderá ser compelido a associar-se ou permanecer associado…”. Logo, não há que se falar como mentirosamente afirmou a Veja em “submeter universitários a chantagens e muito menos extorsões.” Os associados da Educafro têm benefícios, como bolsas em faculdades obtidas pela entidade com muita dedicação, mas também têm diversos deveres, ligados aos objetivos institucionais e estatutários da entidade na luta pelos direitos dos excluídos e pobres em geral, estatuto esse que a Veja não se deu ao trabalho de ler. Será que se algum jornalista da Veja não seguir a linha editorial estabelecida pela revista, continuará trabalhando e recebendo seu salário?

Agora, no dia 20 de novembro, todos os universitários da EDUCAFRO irão para a Praça do Teatro Municipal de São Paulo, às 12:00hs, exigir bolsa moradia e alimentação para todos os universitários pobres, principalmente os cotistas nas Universidades Federais e no ProUni – bem como nas Universidades Estaduais de São Paulo – USP, UNESP e UNICAMP.

 

No citado ato, vamos parabenizar o Governo do Estado do Rio de Janeiro que garante bolsa moradia e alimentação para todos os pobres que entram nas Universidades do Estado do Rio de Janeiro através das COTAS. Este mesmo Estado do Rio de Janeiro, através de seus Deputados Estaduais de todos os partidos e dos Governadores Sergio Cabral e Pezão, acabam de assinar o decreto instituindo as Cotas para Negros e Indígenas no Mestrado e Doutorado das Universidades Públicas Estaduais! Nos Doutorados e Mestrados da USP, UNESP e UNICAMP, menos de 1% dos ingressantes são NEGROS/AS. Por que a Revista Veja esconde esta realidade e não faz matérias mostrando a exclusão na USP, UNESP e UNICAMP?

Direção da EDUCAFRO

Área de anexos

unnamed (2)