Parabéns para os Quilombolas palestrantes! 
 
Estão colocando em prática o que APRENDERAM na sede nacional EDUCAFRO,
 
na ESCOLA DE LIDERANÇAS, neste período de seis meses!
 
Acho que é uma excelente semente! Foi plantada e agora é só regar!
 
Vai gerar muitos frutos!
 
Mais de 300 vagas para quilombolas 
 
nas universidades públicas do Brasil não são ocupadas (perdem-se),
 
todos os anos, por falta de procura e informações dos quilombolas! 
 
E lembrem-se:
 
é um vestibular à parte (quilombola disputado com quilombola!) nas Universidades Federais!
 
Os escolhidos recebem imediatamente R$ 900,00 por mês como bolsa auxilio!!!
 
Todos os pais Quilombolas deveriam direcionar seus filhos para este empoderamento!
 
Equipe de Coordenação da EDUCAFRO

Universitários quilombolas realizam bate-papo na comunidade

A noite de 20 de julho de 2016 foi diferente no Quilombo São Pedro. Os universitários Luiz Eduardo de França Dias, 18, que cursa Fisioterapia; Matheus Ribeiro da Silva,18, e Wesley Silva de Almeida, 21, ambos estudantes de Direito deram uma aula sobre Políticas Públicas, sistema de cotas, universidades, educação básica, situação política atual do Brasil, escravidão, entre outros assuntos. Ao todo são 5 universitários quilombolas do Vale do Ribeira hoje em São Paulo, através da Ong Educafro.

001

Os estudantes relataram as experiências obtidas sobre a vida na universidade na cidade grande, bem como a necessidade de mais jovens acessarem os espaços que sempre foram negados ao povo negro. Segundo Silva, que é do Quilombo Ivaporunduva, “o nosso lugar é na universidade pública e não na particular”, diz; pois “precisamos da universidade pública, porque não temos condições de pagar”, reforça Dias, apontando a necessidade de reflexão sobre o sistema atual das universidades no Brasil.

As cotas nas universidades públicas também foi tema abordado pelos jovens. Segundo eles, estudos comprovam a eficácia do sistema, quando comparados alunos cotistas com aqueles que ingressaram pelo sistema convencional. “As cotas vem para equiparar. Se os negros não estão ocupando as universidades não é atoa, é porque algo lá atrás aconteceu… trata-se de uma dívida histórica e nada mais é do que a escravidão”, afirma Silva. Entre diversas perguntas e respostas eles ressaltaram a importância do Frei David, fundador e Diretor Executivo da ONG Educafro (Educação e Cidadania para Afrodescendentes e carentes) na luta pelo acesso e permanência do pobre e negro na Educação Superior. Além disso, dicas não faltaram no evento. Almeida, por exemplo, afirmou em tom de apelo que “O ENEM é que abrirá todas as oportunidades para vocês [jovens]”, direcionando-se para os jovens e reiterando a importância do Exame Nacional do Ensino Médio. Segundo ele, há omissão por parte do sistema educacional se tratando da qualidade da Educação básica, o que acarreta na má formação acadêmica do jovem. Assim, quando o estudante é de zona rural, tendo problemas como falta de ônibus, estradas ruins, alimentação escolar péssima, além de aulas vagas, o resultado é uma defasagem na aprendizagem quando esse mesmo jovem acessa o ensino superior.    002

O evento foi o 3º bate-papo promovido pela Associação Quilombo São Pedro. No primeiro, a temática abordada foi o Vale do Ribeira, Comunidades Quilombolas, acesso a território; já no segundo, racismo, preconceito, bonecas negras e o negro na mídia foram os temas discutidos. No entanto, este foi mais que especial, pois são os próprios jovens falando para outros seguirem o mesmo caminho de luta. Assim, o recado foi dado: “Estude aquilo que vai te dar um conforto pra poder ajudar a sua família e sua comunidade; e àqueles que não tem mais condições de sair [pra estudar] incentivem os mais jovens”, diz Almeida.

 

FONTE: https://luizketu.blogspot.com.br/2016/07/universitarios-quilombolas-realizam.html