A denúncia chegou à EDUCAFRO.
A EDUCAFRO elaborou uma carta e enviou para todas as DEFENSORIAS DO BRASIL, SOLICITANDO QUE CRIASSEM CURSOS EM CADA DEFENSORIA, PARA LIBERTAR OS DEFENSORES PÚBLIC@S DO RACISMO ESTRUTURAL.

Leia neste link a carta: baixar carta em PDF.

Cota racial vira caso de Justiça em universidade da Bahia e aluno negro acusa defensoria de racismo

BAHIA
O caso de um estudante que acusa a Defensoria Pública da Bahia de negligência e racismo mobilizou entidades de defesa da causa negra. Janedson Carneiro de Almeida, 26, denunciou que um aluno considerado branco entrou na Universidade Estadual da Bahia (Uneb) usando o sistema de cotas, tirando o seu lugar. Segundo relata o estudante, uma defensora pública se recusou a pegar o caso por ser contra cotas raciais e dizendo que não via chance de êxito na Justiça.

Janedson levou ao conhecimento da Uneb que o estudante considerado branco havia tido sua declaração racial rejeitada quando tentou ingressar na Universidade Federal da Bahia (UFBA). A estadual, porém, não acatou a reclamação, e disse que nas suas regras o acesso por cota ocorre por meio da autodeclaração.

Após a primeira recusa da defensoria, Janedson procurou a ouvidoria, que designou um novo defensor. Ele venceu a causa, mas não com o argumento de subversão das cotas: o outro aluno desistiu do curso.

“O segundo defensor me disse que pegaria meu caso mas que também não concordava com as cotas raciais. Me disse que, sendo pobre, não importa se negro ou branco, a pessoa não tem acesso à universidade. Mas no meu caso, eu nem sei se o outro é pobre ou rico, mas sei que é branco, então a questão da pele é sim um fator definidor da minha entrada na universidade”, afirma o estudante.

O caso de Janedson fez com que Frei David, da Educafro, enviasse cartas a todas as defensorias do país para alertar sobre o que chamou de racismo estrutural nas instituições. Apenas o Rio informou que faria cursos de aperfeiçoamento.

A defensoria da Bahia afirma que soube do caso apenas após a carta de David e rejeitou que este seja um episódio de racismo. A Uneb diz que os critérios de validação do ingresso por cotas levam em consideração a autodeclaração e dados socioeconômicos, diferentemente da UFBA, em que o critério é exclusivamente fenotípico.

Reportagem da Folha mostrou que pelo menos 163 estudantes foram expulsos de universidades federais desde 2017 por fraudes em cotas raciais. As 26 universidades que compartilharam informações receberam 1.188 denúncias, que culminaram em 729 processos administrativos no período.

Veja também em mais de outros 30 links:

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/painel/2020/08/cota-racial-vira-caso-de-justica-em-universidade-da-bahia-e-aluno-negro-acusa-defensoria-de-racismo.shtml

https://politicalivre.com.br/2020/08/cota-racial-vira-caso-de-justica-em-universidade-da-bahia-e-aluno-negro-acusa-defensoria-de-racismo/#gsc.tab=0

Privacy Preference Center