Zara vai indenizar homem acusado de roubar mochila comprada por ele

A EDUCAFRO Brasil lhe solicita que repasse para a sua rede!

 

Três meses depois de terem sido acusados de injúria racial, a varejista de roupas Zara e o Shopping da Bahia fecharam um acordo extrajudicial com o estudante estrangeiro e negro Luiz Fernandes Júnior, 28, para que ele não leve um processo judicial adiante. Nascido em Guiné-Bissau e morador de São Francisco do Conde, onde cursa mestrado na Unilab (Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira), Fernandes registrou boletim de ocorrência policial após ser discriminado por uma atendente da loja e por um segurança do shopping em 28 de dezembro do ano passado. Na ocasião, ele foi acusado de ter furtado uma mochila que havia acabado de comprar por R$ 329.

Segundo o advogado de Fernandes, Thiago Thobias, o acordo foi celebrado no dia 7 de abril. “Em 22 anos atuando na defesa de vítimas de racismo, esse é um caso inédito pra mim por três motivos: é a primeira vez que eu vejo uma empresa tomar a iniciativa de fazer um acordo extrajudicial, realizar esse acordo em tempo recorde e ainda por cima indenizar a parte ofendida com um valor muito superior ao que a Justiça brasileira costuma arbitrar”, declarou…. – Veja mais em https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2022/04/25/ba-zara-fecha-acordo-com-homem-acusado-de-roubar-mochila-comprada-por-ele.htm?cmpid=copiaecola

O termo de confidencialidade do acordo impede que as partes revelem o valor da indenização. À época do ocorrido, Thobias afirmou ao UOL que pediria R$ 1 milhão às empresas acusadas a título de “indenização civilizatória”. Em entrevista ao UOL, Fernandes comentou o acordo…. – Veja mais em https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2022/04/25/ba-zara-fecha-acordo-com-homem-acusado-de-roubar-mochila-comprada-por-ele.htm?cmpid=copiaecola