Regras dos Grupos de WhatsApp da EDUCAFRO

Cultivem um clima de irmãs e irmãos que se ajudam em nossos grupos!

A proposta primária dos nossos grupos é dar orientações da EDUCAFRO sobre o assunto do próprio título do grupo. São permitidas conversas entre os membros para dicas de qualificação educacional, profissional, cidadã e antirracista, bem como as diversas  oportunidades oferecidas pela Educafro.

1. Todas as regras universais se aplicam (incluindo legais, de etiqueta e de bom senso).
2. Não publiquem coisas impertinentes (que não têm nada a ver com a proposta do grupo).
3. Respeitem todas as pessoas do grupo e conversem educadamente.
4. Discursos de ódio e intolerância, em qualquer formato, serão banidos.

Quem violar as regras será advertido ou banido do grupo, segundo ponderação dos próprios administradores. Conversando pessoalmente e com educação, a pessoa pode solicitar reinserção ao grupo depois de uma semana.


ESCOLA DE LÍDERES EDUCAFRO 2021/22

A EDUCAFRO  convoca você para uma imersão de 1 ano na ESCOLA DE LÍDERES EDUCAFRO, um programa pautado em competências técnicas e compromisso sócio-político que lhe prepara para defender a causa e os direitos da comunidade afro-brasileira e população em situação de vulnerabilidade social no Brasil.

Você deverá morar na sede São Paulo da EDUCAFRO , onde receberá mentoria e conhecimentos da equipe EDUCAFRO , convidados e do Frei David, em temas diversificados e estratégico, dedicando-se integralmente à sua formação e ao trabalho em prol da comunidade afro-brasileira. A EDUCAFRO BRASIL estuda, também, criar uma turma online para a ESCOLA DE LÍDERES.

Além de formação de excelência, você receberá moradia, alimentação e bolsa mensal de R$ 500,00 (que poderá chegar aos R$ 1.000,00) para gastos pessoais.

As vagas são para pessoas negras (pretas ou pardas), com idade de 18 a 30 anos, interessadas pela causa e por políticas públicas para o povo negro, que possam se DEDICAR INTEGRAL E EXCLUSIVAMENTE para a formação, não tenham dependentes financeiros e sejam solidárias e proativas.

 

Inscreva-se até 31/07/2021

 

Edital: https://bit.ly/2UeftCE

Inscrição: https://forms.gle/qWKCg7YeDwfnHXsFA*

 

Grupo Whatsapp: ESCOLA DE LÍDERES 2021/22

https://chat.whatsapp.com/GOFar4oDdpM0D4Zg4v5HYO


ESTUDE E GANHE R$500/MÊS NO PRÉ-VESTIBULAR EDUCAFRO-INSPER

Nós lhe preparamos para ingressar no Insper e você recebe Bolsa Dinâmica de R$ 500,00!

Os cursos são integrais e a mensalidade mais barata no Insper e de R$4.900/mês (você terá bolsa de 100%).

Passando, via EDUCAFRO, você receberá: Bolsa Moradia + alimentação, além de uma Bolsa de 100% em um dos cursos: Direito, Administração, Economia, Eng. Mecânica, Eng. da computação e Eng. Mecatrônica.

Inscreva-se para mais informações:
https://www.insper.edu.br/noticias/insper-educafro/

Dúvidas? (11) 92018-3245, Thiago Velloso.

Seja uma pessoa do bem! Repasse para sua ex escola e redes sociais.

Conheça: www.educafro.org.br


RETIFICAÇÃO: A Escola de Magistratura e a EDUCAFRO fez um retoque no EDITAL

RESULTADO COM OS 150 NOMES D@S CANDIDAT@S QUE PASSARAM PARA A SEGUNDA FASE DO CURSO PREPARATÓRIO:

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR A LISTA

Se o seu nome está nessa lista, parabéns! Será chamado para a entrevista pelas Juízas e Juízes da coordenação.

Se não estiver, não desanime! A EDUCAFRO está trabalhando para que outras Escolas de Magistratura, também, abram preparatórios voltados para negr@s!

Vamos vencer!

Chegou a nossa vez!

Frei David Santos OFM
Diretor Executivo da EDUCAFRO Brasil


'Não negociamos a vida de pessoas negras', diz jurista sobre Carrefour...

A EDUCAFRO está super radiante, com esse momento novo!

A nota da COALIZÃO negra por direitos é muito rica, pois ela amplia um debate inconcluso. Nós, entidades da comunidade Afro-brasileira, sempre optamos por passeatas, carta aberta, greves e outros bons instrumentos de luta. Sem negar esses, a EDUCAFRO entendeu que estava na hora de ampliarmos nossas ferramentas.

Depois de boas avaliações, concluímos que, o que mais machuca os poderosos é terem que enfiar as mãos nos seus cofres e pagarem, financeiramente, altas indenizações por seus erros. O Deus do mundo empresarial de hoje é o dinheiro.

Nossa ação civil pública colocou o Deus do empresariado na parede.

Teve que dividir "valores do seu Deus" com o povo que se sentiu ofendido pelos erros do Carrefour.

Essa é a maior indenização coletiva, de todos os tempos, no Brasil e na América Latina.

Foram 6 meses de muito trabalho dos nossos advogados/as voluntários e demais membros, que se debruçaram noites, procurando fazer o melhor.

Todas as entidades da Frente Nacional Antirracista assumiram juntas, esse inédito processo.

A EDUCAFRO e o Centro de Direitos Humanos Santo Dias, apenas emprestaram seus nomes. Quem olha a inicial da ação civil pública vai encontrar lá os 38 pontos debatidos e enviados pela FNA para compor, inicialmente a ação civil pública e, posteriormente o TAC (termo de ajuste e conduta), com a excelente participação da Defensoria Estadual, do MPF, MP-RS, MPT, DPU. A história um dias, através de um livro escrito por alguém inspirado, irá contar os bastidores dessa vitória inovadora!

Temos certeza de que estamos inovando a metodologia de luta da comunidade Afro, do Brasil, da América Latina e, porque não dizer, do mundo!

Após esse TAC as lutas contra o racismo estrutural irão ganhar incríveis e positivas dimensões e ferramentas, empoderando as entidades da sociedade e fazendo as empresas se anteciparem e investirem na formação Antirracista de de todos que compõem seus quadros. Desde do mais alto escalão até os servidores na ponta.

Todo o acúmulo adquirido nas negociações com o Carrefour, já estamos colocando em prática no processo que abrimos contra o supermercado Atakarejo que matou, não um e sim, dois irmãos negros, que subtrairam alimentos do supermercado para matar a fome de sua família. Isso doe o nosso coração.

Na tradição cristã, subtrair alimentos para matar a fome de pessoas necessitadas, nem é pecado! Quando mais chamar a milícia e entregar em suas mãos, duas vítimas negras famitas para serem torturadas e exterminadas com mais de 30 tiros, por necessitarem levar alimentos para sua família.

O nosso escritório jurídico afro, ainda não formatado, já está dando seu sangue para atingir grande vitória para a população afro-brasileira, também no caso da tortura do Atakarejo.

Frei David Santos ofm Diretor Executivo da EDUCAFRO Brasil

 

Veja mais em https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2021/06/24/nao-negociamos-a-vida-de-pessoas-negras-diz-sociologa-sobre-carrefour.htm


Estudantes da Educafro são aprovados para 2° fase do Vestibular Insper 2021.2

A primeira fase do vestibular para candidatos regulares ocorreu no domingo (13/06) com provas divididas por áreas: Ciências da Natureza, Matemática e Linguagens e Códigos. Nessa edição do vestibular, houve 31 estudantes do pré-vestibular Educafro Insper inscritos como candidatos regulares, desses, 14 alunos foram aprovados para segunda fase. E outros 23 inscritos, na modalidade treneiro.  Os estudantes do preparatório obtiveram um retorno positivo no momento da interpelação oral, estando aptos, assim, para a segunda fase. No entanto, o resultado oficial será publicado no dia 05/07.

 

O Insper é uma instituição de ensino superior e de pesquisa sem fins lucrativos, localizada em São Paulo. A instituição possui um programa de bolsas que visa a inclusão e diversidade entre os estudantes: com Bolsas de Estudo e subsídios de moradia e alimentação para os selecionados. O Insper conta com cursos de graduação em Administração, Direito, Economia e Engenharias (Da Computação, Mecatrônica, Mecânica), além de cursos de pós-graduação. Em 2021, Insper e Educafro estabeleceram uma etapa nova, visando a ampliação da diversidade racial entre os candidatos do vestibular da Instituição. Essa iniciativa conta com apoio do Fundo Alas – projeto que apoia a formação de lideranças negras.

 

A entidade acompanha os estudantes em todas as fases do processo seletivo. A Educafro adota a metodologia Paulo Freiriana. A realidade das pessoas, seus dinamismos e o seu tempo de maturação para cada atividade são vistas e acolhidos pela Educafro como primordial.

 

Os estudantes aprovados nesta fase contarão com uma preparação específica e de acordo com os conteúdos e avaliações presentes nesta fase, ou seja, desenvolvimento de redações, debates, dinâmicas em grupos, além, é claro, das aulas de cidadania. Dessa forma, haverá duas preparações: uma, que já vem ocorrendo, e é voltada para aqueles que prestarão o vestibular 2022.1 e a outra específica para os aprovados. A Educafro tem dado todo suporte necessário para que os estudantes sejam selecionados em um dos cursos do Insper.

 

No projeto, os estudantes participam de simulados mensais para concorrer a Bolsas Dinâmicas. O programa consiste em uma bolsa no valor de R$500,00 para os 50 primeiros estudantes com maior desempenho e dedicação no projeto e no simulado.

 

As aulas estão ocorrendo desde fevereiro de 2021 de forma remota, sendo realizadas pela plataforma do Google Meet, com apoio da estrutura do Google Sala de Aula. E as inscrições no pré-vestibular continuam abertas.

No modelo remoto, a diversidade entre os alunos é imensa, pois, há estudantes de diversas regiões do Brasil, visto que as aulas são 100% online.

Professores voluntários dedicados fomentam o aprendizado dos alunos com aulas de segunda a sábado, dedicação de suma importância para os resultados obtidos no vestibular. As aulas ministradas abordam conteúdos que são cobrados na  primeira fase do Insper; além disso, o projeto recebe semanalmente profissionais e estudiosos que norteiam, em aulas de cidadania, o desenvolvimento do senso de igualdade, justiça e consciência político-social. Essas aulas contém temas que abordam o Judiciário, Direito, Economia, etc. e geram debates pertinentes. Os estudantes contam também com apoio da plataforma Descomplica; onde podem assistir aulas e realizar exercícios.

 

O Diretor executivo da EDUCAFRO Brasil, Frei David, destaca a importância que projetos como este possuem na inclusão de alunos e alunas negras em Instituições de ensino superior de qualidade. "(Esse pré-vestibular) é um passo importante que esperamos que possa crescer e se consolidar como um modelo de ação em prol da equidade racial.”

 

Estudantes do pré-vestibular Insper – aula de gramática.

 

Keytson Galvão mora em Porto Franco, no estado do Maranhão e está no terceiro ano do ensino médio, ele se prepara para prestar o vestibular Insper 2022.1. Keytson explica que os colaboradores do projeto são atenciosos e destaca a excelência dos discentes do projeto: “Thiago Velloso é um coordenador excepcional[...] ele tira minhas dúvidas, é muito gentil e paciente comigo”, “e quando tenho dúvidas os professores voltam (ao assunto) e explicam novamente”.

 

"A Educafro me forneceu mais que um projeto. Me deu a esperança de poder acreditar, me deu os equipamentos para que eu ficasse em igualdade e pudesse disputar a bolsa de forma justa!", relata Victor Sátiro, estudante do preparatório da Educafro, aprovado para a segunda fase. Victor está prestando o vestibular para o curso de Administração e recebeu a Bolsa Dinâmicas.

 

Atualmente, muitos jovens não conseguem se manter estudando e trabalhando ao mesmo tempo, e a Bolsa Dinâmica tem um reflexo importante na vida desses estudantes. Eduarda Marques, aluna do projeto, diz "Desde o primeiro simulado, eu consegui ganhar a bolsa dinâmica, esse valor me ajudou significativamente[...] permitindo que eu consertasse meu computador que estava quebrado. Esse apoio possibilitou que eu somente estudasse."

 

Projeto Pré-Vestibular Bolsa Dinâmica para o Vestibular 2021.2 e 2022.1 do Insper.

 

Se você também quer vencer, faça parte desse projeto!

 

Inscreva-se agora clicando no link a seguir: clique neste link e realize agora sua inscrição! Para mais informações, acesse o Edital do Pré-vestibular Bolsa Dinâmica Insper.

 

Por: Alda Monique Gonçalves de Alcantara Santos, voluntária e aluna no projeto Educafro-Insper.


Curso popular preparatório para o Concurso de Ingresso na Magistratura Federal

A EDUCAFRO junto com a Escola de Magistratura conseguiu um curso para juízes, negras e negros, no link a seguir está o resultado dos inscritos: 0806-Cadastrados-Preparatorio-Magistratura-FINAL.

 

Conheça mais sobre a EDUCAFRO: https://www.educafro.org.br/site/

Acompanhe a EDUCAFRO nas redes sociais:

FACEBOOK: https://www.facebook.com/educafrobrasil

INSTAGRAM: https://www.instagram.com/educafro/


FAVELA JACAREZINHO: Daniela, Wagner Moura, Frei David e outros...

Daniela Mercury e Wagner Moura divulgam carta em que cobram justiça pelos mortos em Jacarezinho

Outros integrantes do Observatório de Direitos Humanos do CNJ também assinam o manifesto que repudia a ação policial no RJ

A cantora Daniela Mercury, o ator Wagner Moura e outros integrantes do Observatório de Direitos Humanos do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) divulgaram uma carta neste sábado 8 cobrando justiça pelos 28 mortos em uma operação policial na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro.

“A chacina do Jacarezinho envia a mensagem de que o povo negro, pobre e favelado não é titular de direitos. Nem mesmo quando a Suprema Corte do país proíbe a ação policial”, diz o manifesto.

O grupo se refere a uma decisão do STF em 2020 que proibiu ações policiais como o ocorrido em Jacarezinho durante a pandemia do novo coronavírus. Os ministros permitem que em apenas casos excepcionais justificáveis as ações podem acontecer.

Esse é o ponto defendido pela polícia do RJ, que argumenta ter sido necessário invadir a favela para uma operação de investigação do tráfico com adolescentes.

“Diante disso, os membros da sociedade civil que integram o Observatório dos Direitos Humanos do Judiciário – CNJ vêm a público manifestar seu repúdio à atuação das forças policiais do Estado do Rio de Janeiro, exigindo ações concretas e respostas imediatas do Governador, do PGR e demais autoridades, para que provem se houve mesmo a excepcionalidade que justificou a realização da operação policial no Jacarezinho na manhã do dia 06 de maio de 2021”, pede a carta.

O Observatório de Direitos Humanos do Conselho Nacional de Justiça, que é formado por integrantes da sociedade civil, foi criado em setembro de 2020 pelo presidente do órgão, o ministro Luiz Fux.

Além de Daniela e Wagner, assinam a carta Frei David Dantos, Daniel Silveira, Manuela Carneiro da Cunha, Rabino Nilton Bonder e Claudia Costin.

Leia a nota na íntegra

A historia se repete: 28 vítimas, a maioria homens jovens, pobres e habitantes de comunidades vulneráveis foram mortos na manhã do dia 06 de maio de 2021 pelas forças de segurança pública do Estado Rio de Janeiro. Desta vez, com um agravante: a operação policial descumpriu decisão do Supremo Tribunal Federal.

Os policiais invadiram a favela do Jacarezinho, na Zona Norte, para realizar operação policial que se revelou a mais letal da história do Rio de Janeiro. Há um policial entre os mortos.

A grande mídia, as redes sociais e as denúncias dos moradores revelam sólidos indícios de prática de execução sumária e de abuso de poder por agentes estatais, cuja atuação deveria se pautar estritamente por ditames legais e constitucionais. A execução sumária de pessoas rendidas, invasão de domicílios sem ordem judicial, alterações nas cenas dos crimes, uso desproporcional da força e tortura não se coadunam com o Estado de Direito e aproximam a atuação de agentes policiais daquela esperada de foras-da-lei.

Mesmo após a determinação do STF, em outubro de 2020, as mortes em ações policiais no Rio, subiram 425%. Isto prova que o Estado do Rio de Janeiro insiste em resolver o problema do tráfico de drogas, matando os negros e os pobres, em vez de apreender as drogas e as armas nos aeroportos, portos e nas fronteiras e de bloquear as contas bancárias das quadrilhas. Não temos noticia da existência de nenhuma fábrica de armas em qualquer favela do Rio.

A chacina do Jacarezinho envia a mensagem de que o povo negro, pobre e favelado não é titular de direitos. Nem mesmo quando a Suprema Corte do país proíbe a ação policial.

Em tempos de pandemia, houve aumento da insegurança pública, pois quem mora na favela faz parte do grupo de risco: não apenas risco de contaminação, mas risco de extermínio. 

O descumprimento frontal da decisão do Supremo Tribunal Federal que proibiu operações policiais em comunidades do Rio de Janeiro, resultou em 28 mortes (27 moradores e 1 policial) e deve ser imediatamente investigada, também, pelo Procurador-Geral da República. Decisão do Supremo não se discute. Se cumpre. Na ação policial há sinais de execução sumária, de abuso de poder.
As vítimas não foram só aquelas que tiveram seus corpos arrastados pelo chão. As vítimas também foram os moradores agredidos, que viram suas casas sendo invadidas, sem autorização judicial. Foram os trabalhadores que ficaram sitiados nos transportes públicos. Foram homens e mulheres que se encolheram atrás de paredes, esperando não serem atingidos pelos disparos de fuzil. As repercussões gravemente negativas para a integridade física e psicológica dos moradores do Jacarezinho são incomensuráveis.

Às vésperas do Dia das Mães, dezenas de mulheres choram seus filhos, mortos, ao lado de outras tantas que já enterraram, em outras incursões policiais os seus filhos.

A sociedade solicita a divulgação do nome completo de todas as vítimas. Pobres também têm nome e precisam ser respeitados.

Diante disso, os membros da sociedade civil que integram o Observatório dos Direitos Humanos do Judiciário – CNJ vêm a público manifestar seu repúdio à atuação das forças policiais do Estado do Rio de Janeiro, exigindo ações concretas e respostas imediatas do Governador, do PGR e demais autoridades, para que provem se houve mesmo a excepcionalidade que justificou a realização da operação policial no Jacarezinho na manhã do dia 06 de maio de 2021.

Além disso, o Observatório dos Direitos Humanos do CNJ confia que a Defensoria Pública do Rio de Janeiro, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e a Ordem dos Advogados do Brasil promoverão, cada qual nos limites de suas atribuições, a ampla e transparente investigação a respeito dos abusos cometidos e das violações de direitos praticadas pelos agentes estatais e exigirão a urgente obrigação de o ESTADO DO RIO DE JANEIRO INDENIZAR OS PARENTES DOS ASSASSINADOS.

O Observatório confia também estas importantes instituições brasileiras adotarão providências legais para que os agentes policiais, bem como os responsáveis pela operação policial sejam pessoalmente responsabilizados pelos crimes praticados, afastando-os, de imediato, da função policial.

O Estado de Direito não comporta execução sumária. A democracia exige igual tratamento de todos, perante a lei. A autoridade policial não pode invadir domicílios sem mandado judicial.

Como membros do Observatório dos Direitos Humanos do CNJ, apoiamos a entidade EDUCAFRO, membra deste observatório que, junto com outras entidades trabalharam para a anterior conquista da ADPF 635 (que proíbe o Governador do Rio a realizar operações policiais em comunidades, durante a pandemia) e, agora, estão entrando no SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, com uma petição, ao Ministro FACHIN, solicitando que o STF defina – o que é excepcionalidade – e reforce a cobrança para que o ESTADO apresente um plano para redução da letalidade policial no Estado do Rio de Janeiro.

Por fim, realçamos que é dever democrático que o Governo do Estado do Rio de Janeiro preste esclarecimentos públicos ao país, especialmente às famílias das pessoas assassinadas durante a operação policial, indicando as medidas oficiais que serão tomadas para investigar e punir os responsáveis.

Pelos seguintes Membros da Sociedade Civil que integram o ODH, do CNJ:

Frei David Dantos
Daniela Mercury
Daniel Silveira
Manuela Carneiro da Cunha
Wagner Moura
Rabino Nilton Bonder
Claudia Costin

ALEXANDRE PUTTI
Repórter do site de CartaCapital

Postado originalmente em: https://www.cartacapital.com.br/sociedade/daniela-mercury-e-wagner-moura-divulgam-carta-em-que-cobram-justica-pelos-mortos-em-jacarezinho/


EDUCAFRO-concurso-juiz-bolsa-integral

BOLSAS DE 100%: CONCURSO PARA JUIZ FEDERAL

A Associação de Juizes Federais (AJUFERJES) e a EDUCAFRO lançam 150 vagas para esse preparatório. Nossa meta é ampliar a quantidade de juízes negr@s em todo Brasil. Esse curso promete ser empoderador!

Nosso sonho é que todas as Escolas de Magistratura do Brasil abram cursos iguais!

Os/as interessad@s devem se inscrever no link a seguir: http://bit.ly/EDUCAFRO-inscricao-juizes.

Prazo? Até 31 de maio.

Link para o edital: http://bit.ly/EDUCAFRO-edital-ajuferjes

Link para o formulário de inscrição: http://bit.ly/EDUCAFRO-inscricao-juizes