UNIVERSITÁRIOS POBRES DE UNIVERSIDADES PÚBLICAS FAZEM PROTESTO POR BOLSA MORADIA E ALIMENTAÇÃO

Nove jovens carentes que conseguiram uma tão sonhada vaga na universidade pública pelas COTAS para NEGROS e outros POBRES, lutam por um direito garantido por lei e negado pelo MEC: direito a ter alimentação e moradia durante sua faculdade. Em forma de protesto, eles estão acampados em um prédio do campus da Universidade Federal do Rio Grande – RS, em São Lourenço.
   Reivindicam moradia e alimentação e que, no período das férias, como moram muito em outros Estados, necessitam que esse auxilio não sejam cortados.  O valor é de apenas R$300,00.
Lutam para que a bolsa não seja cortada.
 
    A Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE), está intermediando a tensão, mas até o momento nada foi concretizado. Dizem que o MEC não enviou orçamento que possa cobrir a necessidade de todos os universitários pobres.
 
     Os jovens estudantes estão empenhados em ficar até que essa situação seja resolvida,do contrário,continuarão acampados no recinto da universidade, resistindo bravamente, e lutando contra a arbitrariedade do MEC.
     
     A EDUCAFRO está convicta de que as mais de dez reuniões realizadas pela EDUCAFRO no MEC,lutando por bolsas moradia e alimentação, não foi e não será em vão.  Só com o ministro Henrique Paim, a EDUCAFRO fez duas reuniões e ele prometeu buscar solução, em nível nacional, para esse problema. 
 
      Esperamos que não termine este governo sem que o Ministro Negro Paim, venha a atender esta reivindicação do seu povo negro,em prol de todos os empobrecidos.